11. nov, 2014

Casamento (Aula 04)

INTIMIDADE CONJUGAL

 

Até pouco tempo, a educação sexual sofreu uma pressão social e religiosa. Comentar sobre sexo era um tabu tanto para a família como para a igreja. As mulheres eram as que mais sofriam, pois era ensinado que não tinham direito ao prazer sexual e que serviam apenas para satisfazer os seus maridos. Hoje, infelizmente, presenciamos o oposto: uma total liberdade (ou melhor, libertinagem) sexual que é propagada pela sociedade e pela mídia. Resultado: a banalização do sexo, a fragilização familiar, a imagem da mulher sendo vendida como um produto, milhares de adolescentes grávidas todos os anos, a ploriferação de doenças venéreas e da AIDS, e o conformismo da sociedade com as práticas homossexuais. Diante deste dois extremos que separam as gerações, o que a Bíblia tem a nos dizer a respeito do SEXO?

 

A Santidade do Sexo: A intimidade do ato sexual que compartilham marido e mulher é sagrada. Prova disto é o fato de Deus ter apresentado esta experiência sagrada em seu primeiro mandamento para o homem – Gn 1:28. E assim foi, quando ainda o homem achava-se em seu estado de inocência.

 

Deus criou os órgãos sexuais para o nosso prazer. Deus criou todas as partes do corpo humano. E não criou algumas boas e outras más. Ele criou todas boas. Quando terminou a obra da criação disse: "Viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom" (Gn 1:31). O sexo era uma parte integrante desta criação muito boa. Em Hebreus 13:4 no original grego, encontramos a palavra "koite", que significa "coabitar; implantar o espermatozoide masculino".

 

A única proibição da Palavra de Deus com relação ao sexo, diz respeito aos atos sexuais extras ou pré-conjugais – o adultério, a fornicação, a prostituição e o homossexualismo são todos fortemente condenados. O canal para controlar o poder do prazer das relações sexuais é o casamento – I Co 7:2,9.

 

A Bíblia incentiva os casais cristãos a desfrutarem do prazer do sexo dado por Deus: Dt 24:5; Pv 5:15-20. Os pais devem orientar sexualmente os seus filhos. Não como no mundo onde as mães acompanham as filhas adolescentes ao ginecologista para saberem qual anticoncepcional é o mais adequado, ou onde os pais incentivam os filhos homens à pratica da prostituição e da fornicação, ou ainda, o ensino dado nas escolas mascarado de "sexo seguro". Devem orientá-los através do diálogo franco e aberto à luz das Escrituras.

 

O Papel do Sexo no Casamento:

Unificação - levar a efeito uma unidade íntima sem igual entre duas pessoas. Os dois se tornam uma só carne.


Procriação- multiplicação da espécie humana por meio de ter filhos.


Recreação - fornecer êxtase ou prazer para as pessoas envolvidas neste relacionamento sem igual.

 

Intimidade e Satisfação Sexual: Muitos seguem para o casamento sem preparo e sem estrutura com relação à vida sexual. Há uma grande insatisfação sexual principalmente por parte das mulheres porque os homens não as compreendem. A mulher não é um simples objeto de prazer para seu marido. Há homens ignorantes com relação ao sexo.

 

Não posso me julgar satisfeito se minha esposa não está satisfeita. Devemos perceber a insatisfação do outro. Devemos perguntar ao outro. O casal que é infeliz na cama é infeliz em todos os segmentos (espiritual, emocional e profissional). Um casal evangélico não pode viver de fachada.

 

O ato sexual não é só físico, é também espiritual (alguns deixam de cear a por terem praticado sexo no dia da Ceia do Senhor). O Espírito Santo continua em nós durante o ato sexual. O sexo é benção de Deus!

 

Análise de I Coríntios 7:3-5
Esposo e esposa possuem necessidades sexuais que devem ser plenamente atendidas. Quando alguém se casa, seu corpo, agora é de direito do seu cônjuge.
Marido e mulher são proibidos de se recusarem sexualmente (Vs. 5).

 

 

Leia também a aula anterior: CLIQUE AQUI

 

 

Israel Sarlo 

www.facebook.com/caminhoeavida