14. abr, 2014

PARTE 15 - LIVROS BIOGRÁFICOS

 

A BÍBLIA E SUAS ESCOLAS RELIGIOSAS E FILOSÓFICAS

 

 

 

É desse período que provém a composição dos Livros Biográficos. Não há tema mais difícil na história da Igreja. Pareceria, contudo, que, em época ainda anterior, impossível de fixar hoje em dia, circulava pela Igreja uma coleção de sentenças de Cristo. Provavelmente por volta de 75 a 80, e, segundo uma tradição antiga e fidedigna, o Livro de Marcos foi escrito na cidade de Roma. A maneira como a narrativa foi arranjada, não obedeceu o critério puramente histórico.

 

 

 

A seleção do material foi condicionada incontestavelmente pela importância atribuída às doutrinas e aos usos eclesiásticos que esse material ilustrava. Valendo-se, em grande parte, da coleção de sentenças e de Marcos, vieram a ser escritos os Livros segundo Mateus e segundo Lucas, provavelmente entre os anos 80 e 95, o primeiro, é provável, na Síria, e o segundo, em Roma ou Antioquia, segundo se pode com alguma razão acreditar. O Livro segundo João é claramente a obra de um só indivíduo, e não seria inexato dizer que foi escrito em Éfeso, entre 95 a 110. Circulam, além desses, outros "evangelhos". Nenhum deles, porém, se compara em valor aos que a Igreja veio a considerar canônicos.

 

 

 

Ao que parece, no fim do século I, poucos eram as reminiscências de Jesus que não tenham sido incluídas nos outros Livros. Isso pode ser atribuídos à grande guerra judaica e ao declínio das congregações palestinense. Os Livros Biográficos a Igreja deve a herança preciosa do conhecimento da vida do seu Mestre e a possibilidade permanente de corrigir qualquer interpretação unilateral que, por exemplo, como a grande mensagem de Paulo, de pouca atenção ao ministério terreno de Jesus.

 

 

 

por Israel Sarlo