24. abr, 2014

PARTE 22 – ESCOLA GENTÍLICA

 

A BÍBLIA E SUAS ESCOLAS RELIGIOSAS E FILOSÓFICAS

 


A vida cristã era ascética e legalista. As quartas e sextas-feiras eram dias de jejum, chamados "estações", como se tratasse de soldados de Cristo em guarda. A Oração Dominical era repetida três vezes ao dia. "Mais vale o jejum que a oração, e a esmola mais que ambos". Desaconselhava-se novo casamento após a viuvez. O mero arrependimento era insuficiente para a obtenção do perdão. Devia haver também santificação pelo pecado. O cristão pode fazer ainda mais do que o que Deus exige - as chamadas obras de supererrogação (excesso) - e por isso receberá correspondente recompensa.

 

 

 

Havia grande generosidade para com os pobres, as viúvas e os órfãos. Alguns cristãos iam ao extremo de vender-se a si mesmo a fim de conseguir meios de suprir aos necessitados. Acreditava-se que os ricos eram recompensados e ajudados pelas orações dos pobres. As consagrações abastadas pagavam o resgate de prisioneiros e enviavam auxilio a locais distantes. Nesse sentido, nenhuma se destacou mais do que a de Roma. De outra parte, embora os escravos fossem considerados irmãos cristãos, sua manumissão não era encorajada para que não acontecesse que, desprovidos de meios de subsistência, descambassem para mais caminhos. Há indícios de que os mais ricos, e os que ocupavam posições de relevo na sociedade, tinham dificuldade em observar na prática o ideal da irmandade.

 


Aos cristãos de antecedentes pagãos, era-lhe dificultoso negar a existência dos antigos deuses. Para eles, tais deuses, embora considerados demônios, hostis ao cristianismos, representavam uma realidade muito vívida. Os cristãos do século II explicavam a semelhança entre os seus ritos e os da religião de mistério - dos quais tinham conhecimento - dizendo que estes eram paródias feitas pelos demônios. Por isso, o medo da influência dos demônios era característicos e levava o uso frequente dos exorcismo em nome de Cristo. Para todos os homens - afirmavam - haverá uma ressurreição da carne e um julgamento final.

 


Como leram, as "Escolas Gentílicas" assim como as "Escolas Judaicas" foram ferrenhas em suas convicções. Queriam implantar as "doutrinas" de suas religiões pagãs na "ESCOLA DO MESTRE". Infelizmente temos muito destas "doutrinas" implantadas em nossas religiões evangélicas e isto é visto nos programas televisivos, rádios e nos púlpitos. A subserviência em que são submetidos os adeptos destas religiões é de um absurdo total. É normal você encontrar os falsos milagres, coisas que o maquinismo humano cria, usando a fé natural. É de praxe ver pessoas desesperadas e chorando por coisas que sua incapacidade de adquirir as levam a situação extrema de miséria, quando a igreja tem a obrigação de ensinar ao homem a se levantar, o homem natural para então depois trabalhar com o homem espiritual e resgatar sua alma já tão cansada de ser explorada.

 

 

Na próxima aula vamos estudar sobre a organização da Igreja Cristã.

 

 

por Israel Sarlo