12. mai, 2014

PARTE 32 – MARCIÃO Reformador

A BÍBLIA E SUAS ESCOLAS RELIGIOSAS E FILOSÓFICAS


Após alguns dias viajando, estou de volta, dando continuidade as nossas aulas, hoje continuaremos ao REFORMADOR MARCIÃO. Espero que estas aulas sejam de grande valia para todos vocês.



Os esforços de Marcião, no sentido de fazer com que a Igreja romana voltasse ao que ela considerava o Evangelho de Cristo e de Paulo, resultaram na sua própria excomunhão. Por volta de 144 d.C. com seus seguidores, fundou então uma igreja separada. Compilaram um cânon de livros sagrados, compito de dez epístolas de Paulo (omitindo as pastorais) e do Livro Biográfico de Lucas. Eliminou desses livros todas as passagens que subentendessem que Cristo considerava o Deus do AT seu Pai, ou de alguma maneira relacionando com ele. Tanto quanto se sabe, foi esta primeira tentativa de formar uma coleção autorizada de escritos do NT.

 


Dentre todos os movimentos vinculados ao GNOSTICISMO, o de MARCIÃO foi comprovantemente o mais perigoso. Separava o cristianismo de suas raízes históricas de modo tão radical, quanto o fizeram as teorias GNÓSTICAS mais abstratas. Negava a encarnação real e condenava o AT e seu Deus. Tudo isso parecia tanto mais plausível quanto era feito em nome de um protesto contra crescente legalismo.

 

Havia muitas justificativas para protesto de tal sorte. As igrejas de Marcião espalharam-se muito, notadamente no Oriente, e existiram até o século V. Nada sabemos do que sucedeu com a pessoa do próprio Marcião.

 

Gostaria muito que vocês buscassem mais sobre este REFORMADOR, ele significa o DIVISOR de águas, pois ele foi e é ainda responsável por várias ideologias ainda arraigadas em varias religiões que permeiam nosso mundo de então.

 

Boa pesquisa.

 

por Israel Sarlo