31. mai, 2014

PARTE 41 – TERTULIANO (continuação)

A BÍBLIA E SUAS ESCOLAS RELIGIOSAS E FILOSÓFICAS.

 

Para Tertuliano, o cristianismo era uma grande loucura divina, mais sábio do que a mais excelente sabedoria filosófica humana, e impossível de ser equacionado com qualquer sistema filosófico existente.

 

Na realidade, considerava o cristianismo a partir de uma perspectiva estoica. Consiste primordialmente no conhecimento de Deus. Baseia-se na razão - "a alma naturalmente" - e na autoridade. Essa autoridade está sediada na Igreja, e só na Igreja ortodoxa, a única que possui a verdade, expressa no credo, e o direito de usar as Escrituras.

 

Tal como afirmava Irineu, igrejas válidas são as que, em matéria de fé, etão acordes com as igrejas fundadas pelos apóstolos, nas quais a tradição apostólica tem sido mantida pela sucessão dos bispos.

 

Essas são idéias professadas por Tertuliano ainda na sua fase católica. À semelhança de Justino e do cristianismo gentílico em geral, no segundo século, o cristianismo era, para Tertuliano, uma nova lei. "Jesus Cristo... pregou a nova lei e a hova promessa do reino do céu". O fiel é admitido à Igreja pelo batismo, mediante o qual se apagam os pecados anteriores. É o "nosso sacramente da água, no qual, pela purificação dos pecados da nossa anterior cegueira, somos libertados e admitidos à vida eterna". Os que o recebem passam a ser "competidores para a salvação, tentando ganhar o faqvro de Deus".

 

Israel Sarlo