3. abr, 2016

A REFORMA PROTESTANTE - PARTE 14

 

QUE PRECISAMOS SABER SOBRE A REFORMA PROTESTANTE –  PARTE 14

  

A terceira separação foi ainda mais séria. Causada pela revolta dos cantoneses. O estado destes, desde muito, era de crescente miséria e sua conseqüente agitação, especialmente no sudoeste onde o exemplo de melhores condições na vizinha Suíça instigava o descontentamento. O luteranismo diretamente pouco tinha a ver com a revolta. As manifestações mais fortes foram em regiões nas quais o movimento REFORMISTA apenas penetrara. A excitação religiosa e a radical pregação popular foram, por certo, causas secundárias e possivelmente primárias. Iniciada no extremo sudoeste alemão, em maio e junho de 1524, a insurreição era mui forte na primavera do ano seguinte. Em março de 1525 os camponeses apresentaram doze artigos:

 

 1º- exigindo o direito de cada comunidade escolher seus pastores;

 2º- DEPOR seus pastores.

 3º- QUE os grandes dízimos (em grãos) fossem usados para o sustendo dos referidos pastores;

 4º- QUE os grandes dízimos também para despesas outras da comunidade;

 5º- ABOLIDOS os pequenos dízimos;

 6º- EXTINTA a servidão;

 7º- DIMINUÍDOS os lugares reservados para a caça;

 8º-O USO das florestas aberto aos pobres;

 9º- REGULADO o trabalho forçado e pago devidamente;

 10º- NÃO criação de novas leis;

 11º- TERRAS comuns, que haviam sido tomadas, devolvidas às comunidades;

 12º- ABOLIÇÃO dos pagamentos por herança seus senhores.

 

Outros grupos de camponeses, um dos qual chefiado por Tomás Münzer, foram bastante mais radicais. De início, Lutero procurou ver as injustiças de ambos os lados. Mas quando a revolta mal dirigida caiu em excessos maiores e pareceu tornar-se anarquista, voltou-se contra os camponeses com violento panfleto – Contra a Corja de Camponeses Assassinos e Ladrões – exigido que os príncipes esmagassem pela força. A grande derrota de Francisco I da França nas proximidades de Pavia pelo exército imperial, em 24 de fevereiro de 1525, permitiu aos príncipes alemães dominar a revolta. A insurreição camponesa foi marcada por espantosa carnificina.

 

Israel Sarlo

www.facebook.com/caminhoeavida