11. jul, 2014

BÍBLIA NA ÉPOCA PERSA, HELENÍSTICA E ROMANA - (Aula 10)

A história da formação e transição dos textos dos livros bíblicos corre paralela com a evolução do judaísmo da época Persa e Helenística. É necessário estudar simultaneamente a história literária e a história social do judaísmo para compreender uma e a outra.

 

Na época Persa e Helenística, desde o século V aC até o início do século II dC, deram-se os passos mais decisivos na historia da Bíblia: definiram-se as coleções de livros que mais tarde passaram fazer parte do cânon, iniciou-se o processo de transmissão, difusão e tradução de seu texto, criou-se uma rica hermenêutica de princípios e métodos de interpretação e entesourou-se uma intensa tradição de interpretações orais e escritas das ESCRITURAS.

 

É preciso conhecer os traços que predominavam na pesquisa anterior aos descobrimentos do MAR MORTO e conhecer também as novas orientações que nestes últimos anos fizeram caminho entre os pesquisadores. Os livros de INTRODUÇÃO ao AT e ao NT são sempre bastante parcos na apresentação e discussão das questões em torno do cânon, do texto e das versões. Introduções mais antigas como as de Eissfeldt, Weiser e Tost para o AT, ofereciam um maior desenvolvimento delas do que as numerosas introduções publicadas mais tarde.

 

A primeira destas três oferecia inclusive uma ampla seção sobre a literatura apócrifa e pseudo-epígrafa. Os novos materiais acumulados nas décadas passadas e as consequentes novas orientações demonstram que os temas sobre formação do canon, literatura apócrifa, história e crítica do texto bíblico, na historia e crítica das traduções bíblicas e história, gêneros e procedimentos de interpretações bíblica, podem constituir muito bem ao menos um terço do que seria uma cadeira universitário intitulada "Literatura bíblica: Antigo e Novo Testamento".

 

Os outros dois terços etão formados, o primeiro pela introdução clássica a cada um dos livros canônicos e o segundo pela comparação da literatura oriental antiga e helenístico-romana. É lógico que nos programas de uma Faculdade de Teologia se conceda maior espaço e importância à inserção da literatura bíblica, história de Israel e cristianíssimo na história geral e literária do mundo antigo. As matérias tratadas nestas aulas, na parte correspondente à "Introdução à Bíblia", são objeto de disciplinas bestantes distantes, porém muito relacionadas entre si, desde a paleografia e a crítica textual até as técnicas de tradução e interpretação e a filosofia hermenêutica.

 

Israel Sarlo

www.facebook.com/caminhoeavida