24. nov, 2014

A COMPLEXIDADE DO HEBRAICO - (Aula 32)

A lexicografia evoluiu a respeito do hebraico bíblico. O termo bíblico 'ôlam ("tempo distante, eternidade") passou a significar "mundo", com sentido mais espacial. O grego converteu-se agora na principal fonte de empréstimos lexicais: sanhedrîn (synédrion), zûg (zygón) = "par", gedidr^(kathédra) = pinqês (pínax) = "lista". A influência do aramaico é até maior do que a suposta por Segal, que se serviu unicamente de edições impressas da Mixná.

 

É significativo o fato de que o texto da Mixná, transmitido nos manuscritos de maior autoridade, apresente grandes diferenças com relação ao texto bíblico e também características aramaicas mais frequentes. Isto significa que o texto da Mixná sofreu um processo de estandardização e de adaptação ao tipo de hebraico mixnaico próprio e original do texto mixnaico.

 

Ao longo da IDADE MÉDIA, junto a composições escritas num hebraico artificioso e afastado da língua viva, encontram-se escritos em poesia e prosa e com estilo elegante, comparável aos textos bíblicos, embora com incidentes influências dos modelos árabas, sobretudo no que diz repeito às formas métrica e à terminologia científica e filosófica.

 

Os séculos XIX e XX conheceram o renascimento da língua hebraico, na realidade nunca caído em completo abandono.

 

Aqui terminamos a nossa aula sobre HEBRAICO, no próximo estudo falaremos sobre O ARAMAICO.

 

Leia também a aula anterior: CLIQUE AQUI 

 

 

Israel Sarlo

www.facebook.com/caminhoeavida