10. set, 2014

ESCATOLOGIA: AULA 08 - Animais simbólicos

A VISÃO DOS QUATRO ANIMAIS SIMBÓLICOS

 

Referência: Daniel 7:1-28

 

Os primeiros capítulos do Livro de Daniel são de caráter histórico: os seis últimos são proféticos e retratam quatro visões do profeta. Estas visões contam histórias de impérios mundiais durante e após o tempo de Daniel. As visões tratam ainda de coisas referentes aos “últimos dias” e que, para nós, ainda se encontram no futuro:

1ª VISÃO _____ Quatro Animais (Cp. 7).
2ª VISÃO _____ Um Carneiro, um Bote e um Chifre Pequeno (Cp 8).
3ª VISÃO _____ As Setenta Semanas (Cp. 9) e
4ª VISÃO _____ Conflito Entre Miguel e a Oposição (Diabo) Cps. 10-11).

 

 

A - Os Quatro Animais simbólicos:

Os impérios mundiais foram vistos como animais, para representar a ferocidade animalesca e a rapidez ou velocidade (as asas) com que atacam, e devoram e subjugam impiedosamente suas presas de guerra. “... porque é necessário assim acontecer, mas ainda não é o fim” (Mt. 24:6-8).  Graças a Deus porque quando Jesus voltar, todos estes reinos serão tirados dos “animais ferozes” e “dados ao povo dos santos do Altíssimo”. (Dn. 7:17, 18,27; Ap.2:26, 27).

 

 

LEÃO – O mais forte dos quadrúpedes carnívoros, considerado o rei dos animais, representa a Babilônia. (Dn. 7:3-4).

 

URSO – Mamífero principalmente carnívoro, de grande porte e força. Possui unhas e dentes temíveis. Nesta visão, o segundo Império Mundial era semelhante a um urso (Dn. 7:5). O seu lado mais alto representa a predominância do elemento Persa sobre o Medo, pois o animal vinha representando o Império Medo-Persa (Dn. 7:5). As três costelas entre os dentes do urso significam suas três primeiras pressas:

1ª- Babilônia,
2ª- Egito e
3ª- Líbia. Ainda (Is. 13:1-17; 21:2; Jr.51:11). O cativeiro babilônico de Israel termina aqui, com o imperador Ciro, de modo que Daniel assistiu o cumprimento de sua visão profética até aqui – 538 ªC.

 

LEOPARDO –  Animal carnívoro muito ágil, ataca com grande rapidez e velocidade. Geralmente fica de emboscada para saltar sobre a presa. Na visão de Daniel, este animal vem representando o Império Grego, que teria domínio sobre toda a terra. Suas quatro assas mostram seu rápido progresso nas conquistas de Alexandre O Grande, que venceu o mundo civilizado da época em apenas dez anos. As quatro cabeças tipificam as quatro divisões do Império Grego, com seus generais Casandro, Seleuco, Lisímaco e Ptolomeu, após a sua morte. Seu Império foi dividido: Macedônia, Asia Menor, Síria e Egito. (Dn. 7:6).

 

ANIMAL ESPANTOSO. O quarto animal na visão de Daniel veio como um animal espantoso e terrível, tipificando o Império Romano. Os dez chifres do animal, são dez reinos em que será finalmente dividido este Império. Na simbologia dos dez dedos dos pés, Dn. 2:41, 42, ele prevê a fragmentação deste Império em dez partes, dez pontas ou dez reinos – Dn. 7:7. É curioso notar que com o fim do Império Romano, 455 dC, e as invasões dos bárbaros, restaram dez nações, que bem poderiam representar os dez dedos dos pés:


1 - Germanos
2 - Francos
3 - Burgúndios
4 - Suevos
5 - Anglo-Saxões

6 - Visigodos

7 - Lombardos

8 - Hérulos

9 - Vândalos

10 - Ostrogodos

 

 

 

Israel Sarlo

www.facebook.com/caminhoeavida