3. ago, 2014

CRUZ

Texto Original: (João 19:1-4).

"Então Pilatos toma Iéshoua’ e o flagela. Os soldados traçam uma coroa de espinhos, E a põem em sua cabeça. Jogam sobre ele uma veste de púrpura. Vêm a eles e dizem: "Shalôm, rei dos Ieroudîms!" E lhe dão bofetadas. Pilatos vai novamente lá fora e lhes diz: "Eis, eu o trago aqui fora, para que saibais que não encontro nele crime algum."

 


João expôs o recurso das autoridades locais junto a Pilatos que visava condenar Iéshoua’ (Jesus) Jo.18:28-32. Ele prosseguiu seu relato com o interrogatório de Pilatos preocupado em conhecer a natureza exata das pretensões messiânicas do acusado: é ele, ou se diz ele, o rei da Judéia? Considerando que Iéshoua’ não é suficientemente perigoso a ponto de ser condenado, ele tenta soltá-lo, mas os Ieroudîms preferem libertar Bar-Abba. A sorte de Iéshoua’ portanto, foi selada: ele foi crucificado. Uma vez condenado, começa o suplício de Iéshoua’, como era a regra entre os romanos, como o segundo castigo corporal utilizado por eles: a flagellatio (flagelação), que situava-se entre a simples fustigatio (açoite) e, o mais cruel, a verberatio (castigo seguido de impressionante espancamento - tortura).

 

I - O FLAGELO

A- Os Soldados: Mt.27:27 e Mc.15:16 dizem: toda a coorte ou seja, seiscentos homens.

 

B- Uma Coroa de Espinhos: Como zombaria por suas supostas pretensões à realeza.

 

C- Uma Veste de Púrpura, em grego himation: Espécie de toga, assim chamada em oposição à veste militar, chlamys ("clâmide"), de que fala Mt.27:28. A cor púrpura é mencionada como zombaria por causa de suas pretensões reais, pois os imperadores se enfeitavam com ela.

 

D- A Humilhação: Se olharmos atentamente descobriremos em Mc.15:15-20; Mt.27:26-31 e Lc.23:4-23 a crítica que envolveu Jesus. A saudação, chairé, traduz certamente a que era dirigida a César: ave Caesar, e aqui: Shalôm mélèkh há Ieroudîms.

 

II – O FLAGELO DA CRUZ ( Jo.19:14 a 19)

A- A Preparação da Páscoa: A Sexta-feira. Por volta da Sexta hora: Meio-dia. Mc.15:25 situa a crucificação na terceira hora. Mc.15:33; Mt.27:45 e Lc.23:44 notam que as trevas duram até as 15 horas.

 

B- Os Sacerdotes: Não temos outro rei senão Caesar: Nomeados os sacerdotes por Pilatos. Sua réplica contém uma ameaça da qual Pilatos logo compreende a gravidade, sua reação é imediata. Ele entrega Jesus à cruz. (v.16)

 

C- E Carregando ele (Jesus) Próprio a cruz: Mas exatamente, o patibulum ou peça transversal, pois a viga cravada na terra verticalmente, estibas, permanecia fixa no local da execução. Era uma obrigação legal o condenado carregar essa peça (Mt.15:20-41; Mt.27:33-56; Lc.23:33:49).

 

III - A CRUCIFICAÇÃO (Jo.19:18-19)

A- Eles o Crucificam ali: O condenado ficava preso à cruz com pregos nos pés e o corpo apoiado sobre um calço, acreditam que este calço não havia na cruz de Jesus. A crucificação é definida por Cícero e por Flávio Josefos como o mais terrível dos suplícios. No caso de Jesus haviam mais dois outros: (Jo.27:38 e Mc.15:27) os qualificam de Ièstaï, "bandidos" (ver Jo.18:39), enquanto Lc.23:32 os chama de cakourgoï, "malfeitores". Neles pode-se ver o cumprimento da profecia de Isaías (53:12) sobre o servo sofredor (Lc.22:37).

 

B- Uma Placa: Onde estava escrito o motivo da acusação que deu origem à condenação. (v.19).

 

C- O Rei dos Iehoudîms: As iniciais dessas palavras, INRI, foram fixadas pela tradição cristã, ainda que seu sentido não tenha sido sempre claramente compreendido. Iéshoua’ é condenado por um crime de lesa-majestade contra Tibério, que era a única autoridade soberana legítima em todo o império e particularmente administrada pelo imperador (Mt.27:37; Mc.15:26; Lc.23:38).

 

IV – REPRESENTANTES DA HUMANIDADE AO PÉ DA CRUZ (mulheres)


Os exegetas discutem se havia ao PÉ da CRUZ, três, ou quatro mulheres, resultando a incerteza da maneira como é possível ler. As diferentes variantes deste versículos. É certo que Miriâm (Maria), a mãe de Iéshoura’, e Miriâm de Magdala (Maria Madalena) estavam ali. A questão entretanto é saber como compreender "a irmã de sua mãe, Meiriâm, a de Clôpas". Foram propostas diferentes soluções para este problema, que se tornou mais complicado ainda pelas variantes de Mc.15:40; Mt.27:56 e Lc.24:10. É bom notarmos que o número de mulheres era maior pois sabemos apenas de João, pois os demais haviam fugido (Mc.14:50).

 

A- A Importância da Mulher na Cruz Familiar

 

B- A Importância da Mulher no Cálice de Vinagre: (drogas) Provavelmente a posca dos soldados romanos: vinho acre misturado à água. Ao hissopo, em grego hyissôpos, em hebraico éxob: É a manjerona, Origanum maru (majorana syriaca), arbusto de 40 a 50 cm de altura, que cresce em terreno rochoso ou mesmo por entre os muros (ver Iº Rs.5:13. Êx.12:22; Nm.19:6). Ele era utilizado na liturgia para aspergir o sangue sobre o altar do sacrifício, ou ainda para aspergir a água destinada às purificações (Ex.19:6; Ver. Sl.51:9. Mt.27:48 e Mc.15:36).

 

V – A MENSAGEM DA CRUZ

A- Passado Profético: (Is.61:1-2).
B- Presente Profético: (Lc.4:18-19).

 

CONCLUSÃO:

O Grande Final é interrompido por uma declaração de Jesus : "... Está consumado" (Jo.19:30). Sua vida terrestre, seus combates e seu sofrimento acabaram. Pode-se compreender também que está consumada a profecia à qual fazia alusão o v.28: "... sabe que tudo está consumado; e para que o Escrito se cumpra, ele diz: Tenho sede." Finalmente ele "... entrega o sopre a Adonai, seu pai" (v.30).

 

É bom notarmos que a posca dos soldados romanos: vinho acre misturado à água tratava-se de um vinho drogado, que anestesiava os crucificados para aliviar seus terríveis sofrimentos, por ser a crucificação o pior dos suplícios. Este vinho misturado com mirra (Mc.15:23) era destinado a diminuir um pouco o sofrimento dos supliciados, provocando um ligeiro torpor. Jesus o recusa, sem dúvida por querer morrer em plena lucidez.

 

Algo me chama a atenção:
1- As Mulheres estavam presente ao pé da cruz e na morte.
2- As mulheres estavam presente ao pé da cruz na retirada do corpo.
3- As mulheres estavam presente, no dia seguinte, Sábado, comprando aromas para visita-lo (Mc.1: 1)
4- As mulheres estavam presentes no Domingo da Ressurreição. (Mc.1:2)

 

Quem eram estas mulheres?


1- Miriâm – Maria em grego – a mesma de Lc.7:37 {pecadora}
2- Magdala (Mágdala): pequena localidade situada na costa ocidental do lago da Galiléia (Mc.16:9; Lc.8:2) {Maria Madalena – idéia de geográfica}
3- Mirâm: A Segunda é a mãe de Ia’acob, Iossseph e Shelomit (Mc.5:47). {pureza}
4- Shelomit: Feminino de Sheolomo, transformado em Salomé por não existirem fricativas palatais em grego (Mt.20:20) {dança, alegria}

 

Quando estudo sobre a CRUZ, vejo alguns aspectos interessantes: a CRUZ, o HOMEM e as MULHERES. Três importantes símbolos do CRISTIANISMO:


1- CRUZ: (Mt.10:38; Lc.14:27) A nossa Cruz seguidora de Jesus nos torna discípulos dignos.
CRUZ: (Mt.16:24; Mc.8:34) Após mim, só os que tomam sua cruz.
CRUZ: (Mc.15:30) Só os que não abandonam sua cruz.

 


2- HOMEM: (João 1:18 e 29)

Ninguém jamais viu a Deus, mas o Deus Unigênito, que está junto do Pai, o tornou conhecido. ...No dia seguinte João viu Jesus aproximando-se e disse: "Vejam! É o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!

 

3- MULHERES: Quando a Bíblia nos ensina que o homem estava só e necessitava de uma auxiliadora, não pensava as religiões que esta palavra fosse tão fundo na vida de Jesus. Não pensava os defensores PATRIARCAIS que a IGREJA fosse também constituída por MULHERES e que, a maior INSTITUIÇÃO da vida receberia o nome de NOIVA - A IGREJA – MULHER – MÃE.

 

Jesus não tomou a droga que os romanos, unidos aos judeus, queriam lhe dar. Esta recusa mostra claramente que a dor dos pregos, coroa, escárnio, perfuração, abandono do Pai e morte na cruz eram problema dele, no entanto, as drogas que a vida nos traria, estas estariam na cruz particular de cada um. No entanto, o conselho é claro: "Tome a tua cruz e segui-me". Não diz para sermos pregados nela. " (Jesus dizendo) Siga-me para que eu os torne discípulos".

 

Esta cruz tem muitos significados: nossos filhos podem estar longe da cruz e tão perto das drogas; nossos problemas sociais podem estar absorvendo apenas o problema social e desmoralizador que sofreu Jesus; nossos problemas físicos podem estar ainda na nossa cruz por não entendermos que este problema é dele segundo Isaias: "Tomou sobre si nossos dores e enfermidades." Portanto é bom lembrar-mos: o lar necessita da força do HOMEM com a ajuda da MULHER para que, juntos, discirnam as CRUZES: a de Jesus e a nossa. A primeira para a MORTE e a Segunda para a VIDA. Escolhas a MORTE para que morras e a VIDA para que vivas.

 

 

Israel Sarlo

www.facebook.com/caminhoeavida