2. abr, 2015

OS CÉUS E A TERRA - Aula 74

Por que Deus criou os céus e a terra? As estrelas e os cometas têm algum significado divino? Temos “anjos da guarda”?

 

Como a maioria das pessoas, minha concepção sobre céu era uma confusão de diversos conceitos colocados juntos, o que pode ser uma coisa interessante tratando-se de sorvetes ou vitaminas de frutas, mas não com relação ao lugar onde pretendo passar um tempo bem longo. A débil imagem que eu tinha do céu, mesmo quando já era adulto, era tanto incompleta quando composta de peças que não se encaixam. É certo que ainda não posso dizer que hoje tenha alguma imagem maravilhosa. Como a Bíblia diz aqui, na terra, nós vemos como que por espelho, sem definições muito claras (ver 1ª Co. 13:12). Mas a imagem sem muita definição pelo menos nos oferece um vislumbre dos mistérios e prazeres que nos aguardam no céu.

 

Tendo em mente esta incerteza e a consciência de nossa limitação como seres finitos que não conseguem ter a exata noção das maravilhas do céu, vamos começar a construir um quadro daquilo que podemos saber sobre ele.

 

Todos aqueles que tentam montar, pela primeira vez, um quebra-cabeça tiveram a impressão de que nem todas as peças espalhadas sobre a mesa pertencem ao quadro que se quer montar. Não há modo de fazer as figuras se encaixarem para montar a figura impressa na tampa da caixa. É assim que me senti com relação às peças do meu quebra-cabeça chamado “Como Será o Céu”. A caixa não tinha se quer uma figura clara impressa na tampa, e eu nem sequer sabia dizer se as peças que eu estava tentando juntar estavam do lado certo.

 

Sem uma imagem de referência, a única maneira de começar a montar um quebra-cabeça é começar pelos dados, especialmente pelos cantos, com algumas peças do céu que, mais tarde, permitirão que vejamos um quadro vivo daquilo que veremos quando chegarmos lá. Quanto mais peças estiverem no lugar correto, mais fácil e rápido será nos situarmos diante do quadro completo. No começo, porém, precisaremos de bastante paciência.

 

Pelo fato de o céu ser tão maravilhoso, tão incrivelmente diferente daquilo que podemos conhecer e experimentar na terra, nunca seremos capazes de construir uma descrição completa de nosso lar eterno com Deus antes de chegarmos lá. Mas isso também não quer dizer que não possamos conhecer mais do que a maioria de nós sabe atualmente. A Bíblia não nos diz tudo sobre o céu, mas ela diz mais coisa do que as pessoas imaginam.

 

Primeiramente, o foco central da Bíblia sobre o assunto da eternidade está em revelar o quanto Deus nos ama e como deseja que estejamos com ele. Quando a Bíblia define a vida eterna, não o está fazendo, de fato, em termos de local ou duração, mas de relacionamento com Deus.

 

“E a vida eterna é está que te conheçam a ti, o único Deus Verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste”.  (Jo. 17:3)

 

A “Vida eterna” está em seu Filho. Ela está de tal modo interligada a sua pessoa que “aquele que tem o Filho tem a vida; aquele que não tem o Filho de Deus não tem a vida” (1ª Jo 5:12). Este é um conceito bastante diferente daquele que algumas pessoas têm sobre uma alma eterna – uma essência de vida que durará para sempre e que está além das limitações terrenas, independentemente de seu relacionamento com Cristo. Vida eterna não é um vaguear sem rumo pela vastidão do cosmo do futuro. A vida eterna está centrada em Deus. Ele é a fonte dessa vida. A eternidade não é um prolongamento vazio e sem fim do tempo, como se fosse uma estrada longa e vazia que leva as pessoas com imaginação a qualquer lugar que desejem ir. A vida eterna é uma revelação constante de delícias com Deus, aquele que quer se relacionar conosco para sempre. É por isso que Ele deu a vida de seu único Filho “para que todo o que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo. 3:16).

 

Israel Sarlo

www.facebook.com/caminhoeavida