16. jul, 2017

II Coríntios - Aula 05: ESPELHO, CÂMARA FOTOGRÁFICA E VASO

Capítulo 5 de II Co

Leitura bíblica: 2ª Co.3:13-18. 4:3-11, 16-18 e o capítulo 5.

Vimos que uma pessoa que vive na presença do Senhor, ou seja, no espírito, no santo dos Santos, é comparada a um cativo numa procissão comemorativa e a uma carta. Se tivermos seriedade para com o Senhor e desejarmos segui-lo no espírito, temos de ser cativos e termos de ser inscritos com o Espírito do Deus vivo para sermos as cartas de Cristo para expressá-lo. Nesse capítulo desejamos ver mais dois aspectos de uma pessoa que vive no Santo dos Santos.

 

UM ESPELHO QUE CONTEMPLA E REFLETE A GLÓRIA DO SENHOR - A Segunda Epístola aos Coríntios 3:18 fala-nos que necessitamos ser espelhos contemplando e refletindo a glória do Senhor. Um espelho reflete tudo o que contempla. Quando estamos contemplando o Senhor, refletimos o Senhor. Contudo, se um véu for colocado sobre o espelho, nada será refletido. Paulo diz-nos que precisamos contemplar o Senhor com o rosto desvendado. Precisamos perguntar-nos o que vem a ser este véu a que Paulo se refere. Alguns podem ter a impressão de que este véu é a carne referida em Hebreus 10:20. Mas o véu de Hebreus 10 não é o mesmo véu de 2ª Coríntios 3. São dois tipos de véus. O véu em Hebreus 10 é o véu interno ao tabernáculo (Hb.9:3), mas o véu em 2ª Coríntios 3 é o véu posto sobre o rosto de Moisés (v.13). Em prefiguração era o véu posto sobre o rosto de Moisés, mas espiritualmente, que vem a ser isso? Provavelmente pouquíssimas pessoas algum dia consideraram de modo adequado o que é o véu neste capítulo. Precisamos ser impressionados pelo fato de o véu ser as tradições religiosas ou a religião tradicional. Por que havia um véu cobrindo o coração dos filhos de Israel quando liam o Velho Testamento? O véu no coração deles era a velha religião tradicional.

 

Devemos aplicar a nós este entendimento. Temos sempre a tendência de aplicar aquilo que lemos nas Escrituras aos outros e não a nós mesmos. Podemos pensar que os israelitas no V.T. eram tolos em diversos aspectos, e contudo, não percebemos que não somos diferentes deles. Você pode ter lido o N.T. muitas vezes sem, contudo, ter tido muita luz por estar encoberto. Você está coberto com as tradições religiosas, com as tradições cristãs. Está encoberto com a religião tradicional, com o cristianismo tradicional. A experiência do cristianismo pode ser um véu a cobrir-lhe. Temos de percebe que se desejamos viver no espírito, temos de ficar fora da religião e temos de ser libertados de todo tipo de tradição religiosa. Precisamos ir até o Senhor a fim de ver nossa verdadeira situação. Você ainda pode estar sob a cobertura do véu do cristianismo religioso e tradicional. Pode ainda estar sob cobertura dos ensinamentos tradicionais que recebeu no passado. Tudo isso pode tornar-se um véu cobrindo-o para que você não tenha a visão real do próprio Senhor.

 

A religião é de fato um problema para aquelas pessoas que buscam a Deus. Todo o dia muitos que buscam o Senhor são bloqueados e velados pela religião, que os impede de ver algo do próprio Senhor. O judaísmo e o cristianismo, incluindo o catolicismo e protestantismo, tornaram-se grandes sistemas religiosos impedindo os que buscam o Senhor de ter a experiência e desfruto de Cristo como sua vida e seu tudo. A religião é um estratagema do inimigo. Quem condenou o Senhor Jesus á morte: Os religiosos judeus com o V.T. nas mãos. O povo religioso condenou e sentenciou o Senhor Jesus á morte de acordo com seu entendimento do V.T. Quem tem perseguido os seguidores do Senhor ao longo de toda história da igreja? O povo religioso. Quem perseguiu os apóstolos? Os religiosos judeus. Quem persegui a Martin Lutero? Os católicos romanos. Algumas vezes, você pode ser seu próprio opositor por ser tão religioso. Você tem de ser livrado e libertado de toda a religião tradicional.

 

Em relação ao espelho há a necessidade de um rosto desvendado. Também há a necessidade de o espelho ser posicionado na direção correta. É por isso que 2ª Coríntios 3:16 fala-nos que quando o coração “se converte ao Senhor o véu lhe é retirado”.  Nosso coração precisa estar voltado ao Senhor de modo a podermos contemplá-lo com o rosto desvendado. Você pode pensar que abandonou a religião com todas suas tradições há muito tempo. Pode até mesmo ter deixado as denominações, mas após isso, a quem você se voltou? Você pode ter voltado á direção errada. Um espelho tem de ser voltado em direção a seu rosto para contemplá-lo e refleti-lo. Quando o espelho é virado para você, ele o reflete. Você pode ter abandonado a religião tradicional, mas para onde está voltado? Que está procurando agora? Está direcionado para o Senhor? Você se voltou ao Senhor? Precisamos ser desvendados e voltados ao próprio Senhor.

 

Estes versículos em 2ª Coríntios 3 não nos devem ser meramente uma doutrina. A verdadeira libertação da religião tradicional não é algo meramente exterior, mas é algo no espírito. Quando realmente está andando, trabalhando, agindo e procedendo no espírito, você está fora da religião e tradições. Tenho dúvida se muitos de nós, que abandonaram o caminho das denominações, tem andado e vivido no espírito desde aquela época. Se não tem andado, agido e se comportado no espírito, pode Ter abandonado algumas tradições, mas você ainda está vivendo em suas próprias tradições. Você pode ter abandonado uma religião somente para formar outra. Fora do espírito, você até mesmo se tornar uma religião.

 

Ser libertado da religião e tradição é viver, andar, agir e proceder no espírito. Esse assunto é muito taxativo. Se está no espírito, está fora das denominações, das tradições e de todo tipo de religião. Se não está no espírito, aparentemente você pode estar fora da religião, mas, na verdade, ainda está em sua própria religião. Essa religião é um véu  cobrindo-o de forma que a Bíblia não é um livro aberto a você. Sua religião é um véu cobrindo-lhe os olhos para que não veja a luz, a revelação, as visões do N.T. Temos de nos voltar de qualquer tipo de religião, até mesmo da religião auto-confeccionada. Temos de os voltar ao Espírito. (Quando falamos em não estarmos na religião isto vem dizer que não podemos deixar que doutrinas meramente religiosas ocupem nossas mentes não nos deixando pensar e daí a impossibilidade de comunhão com Deus. A religião é como um navio: navega muito bem sobre as águas, mas se estas entrarem dentro dele o desastre será irreparável).

 

Muitos queridos santos tem uma religião auto-confeccionada. Certa vez, um irmão veio dizer-nos que achava que orar-ler a Palavra não era tão correto. Ele achava que precisávamos adorar ao Senhor de maneira que todos ficássemos quietos e orássemos vagarosamente. Essa é uma religião auto-confeccionada. Outro irmão pode achar que deve sair ao exterior para ser um missionário. Isso também pode ser uma religião auto-confeccionada. Um irmão, certa vez perguntou-me por que em nossas reuniões da igreja os homens sentavam-se com os homens e as mulheres sentavam-se com as mulheres. Este irmão achava que essa não era a maneira correta de reunir-se. Isso também é uma religião auto-confeccionada. Essa religião imediatamente torna-se um véu, encobrindo-o para que não veja Cristo, e a verdadeira vida no Santo dos Santos. Muitos de nós podemos não estar cientes do fato de que temos nossa própria religião auto-confeccionada.

 

Todos temos de ser libertados do véu da religião. “Ora o Senhor é o Espírito; e onde está o Espírito Senhor aí há liberdade” (2ª Co.3:17). O Espírito nos liberta de todo tipo de religião. Adorar ao Senhor não é uma questão de separar os homens das mulheres nem de misturá-los. João 4:24 diz-nos que devemos adorar a Deus no espírito. Temos de viver no espírito e encontrar o Senhor no espírito. Não me importo com a maneira que os santos se sentam nas reuniões. Somente me importo com uma coisa: se estou ou não no espírito. O Senhor é o Espírito em nosso espírito (2ª Tm.4:22; Rm.8:16). Se nos mantemos no espírito, o véu imediatamente desaparecerá. Temos um rosto desvendado, não o rosto físico, exterior, mas o rosto espiritual, interior. Seremos capazes de ver o Senhor, outros o verão em nós por nós o refletirmos. Tornar-nos-emos um espelho contemplando e refletindo a Cristo.

 

Um homem vivendo no espírito deve ser um cativo de Cristo, uma carta de Cristo, e um espelho voltado ao Senhor com um rosto desvendado. Então esse homem contemplará e refletirá a glória do Senhor, e será, disposicionalmente, em seu próprio ser transformado á imagem de Cristo de um estágio de glória a outro estágio. Essa transformação provém do Senhor Espírito e não tem nenhuma relação com qualquer religião, forma, regulamento, ensinamento diferente ou qualquer conhecimento morto. Temos de nos voltar ao espírito para contatar o Senhor Espírito com o rosto desvendado. Contemplar o Senhor com o rosto desvendado é ser libertado de toda religião. Enquanto nos importamos somente com o Espírito vivendo em nosso inteiro, dia após dia, e, hora após hora, seremos transformados á própria imagem de Cristo.

 

UM VASO, UMA MÁQUINA FOTOGRÁFICA - A Segunda Epístola aos Coríntios 4:7 diz: “Temos, porém, este tesouro em vasos de barro”. Somos os vasos para Cristo. Como vasos contemos um tesouro maravilhoso, o Cristo da Glória, que é a corporificação de Deus para ser nossa vida e nosso tudo. Se ler cuidadosamente os primeiros dez versículos do capítulo quatro, você perceberá que esse vaso é exatamente o mesmo que uma máquina fotográfica. Os quatro itens principais necessários para uma máquina fotografar são:

1-As lentes

2-O filme

3-O obturador para abrir a câmara e

4-A luz.

 

Através da luz o cenário é trazido para a câmara e impresso no filme, produzindo a fotografia. Sem a luz, o cenário nunca seria introduzido na câmara. Se tirarmos todas as fotos existentes no filme e não tirarmos a tampa da lente todas as fotos ficarão em branco.

 

Na esfera espiritual, a mente, com todos os seus pensamentos, é a lente, e o espírito correto com um coração correto é o filme no interior. Você precisa ter uma mente aberta com um espírito correto num coração correto. Então você necessita do obturador, que significa que necessita abrir-se ao Senhor. A luz divina está esperando por isso. Quando se abre ao Senhor, quando sua mente com seus pensamentos é aberta, e quando tem um espírito correto em um coração correto, a luz divina traz Cristo ao seu espírito e o imprime nele. Agora em seu interior há uma fotografia, uma imagem, e essa imagem é o próprio tesouro contido nos vasos de barro.

 

Nossa mente, com nossos pensamentos, necessita ser bastante aberta, e nosso coração necessita ser correto com um espírito puro e adequado. De dia e de noite, precisamos nos abrir ao Senhor e, então, Cristo, o cenário celestial e divino, será impresso em nós repetidamente. Não diga que já foi salvo e que Cristo já está em você. Cristo está em você em seu espírito, mas Ele não está tanto em seu coração. Você precisa repetidamente Ter uma mente aberta com todos os seus pensamentos governados por ele, e precisa de um coração adequado com um espírito puro e aberto. Durante todo o dia você precisa usar o obturador, o que significa que precisa se abrir ao Senhor. Então Cristo como o tesouro celestial será impresso em você.

 

Após permitirmos que Cristo venha ano nosso interior, precisamos ser quebrados. O vaso precisa ser quebrado para que o tesouro possa ser expresso. A primeira parte do capítulo quatro fala-nos como Cristo, como o tesouro, pode vir ao nosso interior. Então, a última parte fala-nos como este tesouro pode ser expresso por meio de o vaso ser quebrado. No versículo 7 é dito que “temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós”, “perplexos”, “perseguidos”, “abatidos”, como “atribulados”, “perplexos”, “perseguidos”, “abatidos”, e “levando sempre no corpo o morrer de Jesus”. No versículo 16 Paulo nos fala que o homem exterior está se desgastando. Isso não é somente a redução do nosso homem exterior, mas também o quebrantamento do vaso.

 

Deus está fazendo uma obra não apenas para reduzir-nos, mas também para moer-nos, quebrar-nos. Não devemos tentar nos manter tão intactos, tão inteiros. Temos de ser quebrados. O Senhor quer quebrar nosso homem exterior, o homem natural, incluindo a alma e a carne. Nosso elemento humano, a vida da alma, o elemento carnal, todos têm de ser quebrados. Do lado positivo, você é uma máquina fotográfica com as lentes, com o filme adequado, e com o obturador permitindo que a luz penetre e traga o cenário divino, a imagem divina, para seu interior. Depois disso, contudo, você tem de ser preparado para ser quebrado, para ser moído, para ser destruído. No capítulo três o problema é o véu. No quarto capítulo o problema é o homem exterior. O véu, como vimos é a religião. O homem exterior é o ego com a vida natural, a vida da alma e com a carne. Saber o que o homem natural, a carne e a alma são é uma coisa, mas experimentar o quebrantamento do homem exterior, o santo quebrantamento é outra coisa.

 

Ao seguir o Senhor não devemos esperar ter sempre uma “jornada tranquila”. Ao tomar o caminho que leva á vida, o caminho estreito e apertado para seguir ao Senhor (Mt.7:14), você será atribulado, perplexo, perseguido e abatido. Será posto á morte, destruído, moído, quebrado. Você pode perguntar como isso ocorrerá. Não sei de que modo isso ocorrerá. Somente Ele sabe. O Senhor tem miríades de maneiras de moê-lo e de moer-me. Alguém pode dizer que é terrível casar-se. Então eu diria que é lamentável não se casar. Alguém pode perguntar se é melhor casar-se ou não. Não sei. Mas posso dizer-lhe não tente escapar do Senhor. Quanto mais tentar escapar, mais será envolvido. Se escapar de ser atribulado, cairá numa situação que o deixa perplexo. Se escapar de ser perseguido, será abatido. Precisamos perceber que não estamos em nossas próprias mãos. Estamos em Suas mãos. Ninguém sabe o que trará o amanhã. Até mesmo Davi disse no salmo 31:15 “Nas tuas mãos estão os meus dias”. Precisamos louvá-lo, contudo, pelo fato de Sua mão ser soberana, graciosa e misericordiosa. Não devemos temer. Necessitamos ficar em paz para tomar tudo o que Ele nos determinar, para tomar o que Ele designar para nós. Porque temos o tesouro dentro deste vaso, o destino do vaso é ser quebrado.

 

Para ser uma pessoa no espírito, no Santo dos Santos, necessitamos ser cativos, cartas, espelhos e vasos destinados a ser quebrados. Necessitamos trazer todos esses pontos ao Senhor e orar cabalmente. Precisamos de orar para dentro desses pontos de forma a percebermos subjetivamente que somos rebeldes cativos, cartas sob a inscrição do Espírito do Deus vivo, espelho com o rosto desvendado voltado a Ele, e vasos que estão sob o Seu tratamento, sob o Seu quebrantamento, para cumprir seu encargo de expressar o tesouro interior. Todos esses itens são gloriosos.

 

www.facebook.com/caminhoeavida

Inscreva-se em nosso canal no Youtube